Posts Recentes
Posts Em Destaque

COBOGÓ


Desenvolvido na década de 1920, o nome cobogó foi atribuído através das 2 primeiras letras do sobrenome dos 3 engenheiros pernambucanos criadores do cobogó: Amadeu Coimba (Co), Ernest Boeckmann (Bo) e Antônio Góis (Gó). Criado através da ideia dos muxrabes árabes (Figura 1) de madeira, eram inicialmente constituídos de concreto e tijolo (Figura 2), apresentando ainda formas simples. Com a difusão deste material por Lúcio Costa (Figura 3), e com a constante inovação dos produtos, os cobogós passaram a ser produzidos também em materiais mais nobres (Figura 5) e com formatos mais complexos, como é o exemplo do cobogó de vidro e cerâmico com a pintura esmaltada.


Figura 1 - Muxarabe Árabe. (FONTE: https://deborahbasso.wordpress.com)

Neste contexto, é imprescindível cita uma das primeiras obras brasileiras que utilizou o cobogó. Em 1934 foi construído o prédio da caixa d'água do alto da Sé (Figura 2), em Olinda, que apesar da sua localização se sobre um sítio histórico do período colonial, é considerado uma referência na arquitetura moderna brasileira.


Figura 2 - Caixa d'água do Alto da Sé - Olinda, por Luiz Nunes. (FONTE: Internet)

O cobogó ficou marcado como um dos símbolos da arquitetura moderna no Brasil, e foi muito utilizado em projetos de arquitetos renomados como Lucio Costa e Oscar Niemeyer.


Figura 3 - Parque Eduardo Guinle, por Lucio Costa (FONTE: http://www.archdaily.com.br)

Utilizado em áreas externas e internas, o cobogó é considerado um elemento versátil, usado tanto em edificações residenciais, como em construções corporativas e industriais. É uma excelente opção para realizar fechamentos e divisão de ambientes onde há a necessidade e/ou a possibilidade de iluminação e ventilação constante. Além disso, também são considerados como elementos decorativos, podendo substituir em alguns casos, os revestimentos cerâmicos e de pedras.

Como exemplo vocês podem observar a Figura 4, a qual foi utilizado o cobogó na garagem da residência em questão, atribuindo estética ao ambiente e aumentando sua ventilação e iluminação. Já na Figura 5 é possível observar a utilização do cobogó em um apartamento na cidade de Londrina, onde a intenção era atribuir privacidade ao dividir a área de serviço da sala, e ao mesmo tempo levar em consideração a estética e a sensação de amplitude, diferentemente da sensação que uma parede de alvenaria/drywall iria causa.


Figura 4 - Residência unifamiliar na cidade Londrina (FONTE: GrupoAE)


Figura 4 - Apartamento na cidade Londrina (FONTE: GrupoAE)

Gostou da utilização do cobogó? Venha nos fazer uma visita e descobrir onde e como você pode utilizar este elemento em sua construção!

--

Escrito por: Rafael Augusto Baioni Gomes, Arquiteto e Urbanista formado na UniFil, em 2013. Pós-Graduado em Projeto arquitetônico pela UEL, em 2015. E-mail: rafael@aegrupo.com.br

--

FONTES:

http://www.archdaily.com.br/br/768101/cobogo

https://deborahbasso.wordpress.com/2014/11/13/muxarabis-heranca-arabe/

http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa351677/luiz-nunes

#arquitetura #arquiteturamoderna #elementovazado #cobogó #decoração #engenharia #engenhariadeinteriores #obras #execução #sustentabilidade #iluminação #prémoldado #projetos #moçarabesarabes

Siga
No tags yet.
Procurar por tags
Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
GRPAE ARQUITETURA E ENGENHARIA LTDA 
CNPJ: 28.872.441/0001-00
RUA GOIAS, 2000, SALA 04
CENTRO
LONDRINA - PR
(43) 3351-5195
  • Facebook
  • Instagram
  • Whatsapp